Curiosidades

Publicado em setembro 18th, 2017 | por Instacarro

O carro elétrico da Volvo pode ser o início de uma revolução

Um mundo mais verde, com cada vez menos emissões de poluentes e muito mais sustentável para o meio ambiente: essa idealização, que por alguns é até considerada utópica, passa diretamente pela questão da mobilidade urbana. Carros são potentes emissores de poluentes, que prejudicam o meio-ambiente em diversos pontos – entre eles, o aquecimento global e o efeito estufa. Pensando nisso, a Volvo, montadora alemã de renome, anunciou que planeja lançar cinco modelos de carro elétrico e/ou híbridos – em um projeto em conjunto com a Polestar, uma subsidiária de veículos de alto desempenho lançada em junho de 2017 – nos próximos anos para, a partir de 2019, ter sua frota constituída apenas de veículos deste tipo.

Isso a torna a primeira montadora convencional de veículos a determinar o fim dos veículos movidos apenas por motores de combustão interna. Uma medida, no mínimo, revolucionária. O plano é fabricar, começando em 2019, apenas três tipos de veículos: os puramente elétricos, os híbridos recarregáveis por meio de tomadas (plug-in) e os chamados híbridos leves, que combinam um pequeno motor a combustão a uma bateria. Em entrevista no dia do anúncio, o presidente-executivo da Volvo, Hakan Samuelsson, disse que o momento marcava o fim dos carros movidos apenas por combustão interna. Será que esse fim ao qual ele se referiu é apenas para a Volvo ou para todo o mercado?

Supõe-se que, daqui a alguns anos, o carro elétrico e o híbrido sejam o principal meio de transporte para toda a população mundial. Até mesmo em transportes coletivos. Dada a todas as diferenças socioeconômicas existentes atualmente, é bem capaz que o processo de implementação dessa tecnologia como algo global seja gradual e lento. Entretanto, esse anúncio da Volvo, em 2017, pode ter sido um dos estímulos determinantes para acelerar essa mudança no meio automobilístico.

O mercado mundial dos carros verdes 

Com o anúncio, a Volvo ainda declarou que pretende vender um total de 1 milhão de carros eletrificados até 2025. Pensando que, todo ano, só de Toyota Corolla são vendidos em torno de 1 milhão e 300 mil unidades, não parece ser um número muito expressivo. Entretanto, a situação do mercado de veículos puramente elétricos ou híbridos plug-in é totalmente diferente dos movidos a combustão interna.

Por exemplo: em 2016, na Europa, um continente hiper desenvolvido com ótimas economias e qualidade de vida para a população, foram vendidos apenas 110 mil híbridos durante o ano todo. Já na China, país de maior população no mundo, foram comercializados 265 mil veículos com propulsão elétrica. O país asiático lidera em vendas desse tipo de veículo, e, inclusive, é de lá a montadora Geely, que comprou a Volvo em 2010.

Em termos mundiais, o comércio do carro elétrico representa uma porcentagem muito pequena no mercado de veículos: apenas 1% das vendas totais em 2016 envolveram automóveis desse tipo – a maior montadora do ramo é a americana Tesla, pioneira se tratando de carros elétricos. Porém, é notável que esse mercado está em franco crescimento. Segundo estudo da Bloomberg New Energy Finance, híbridos e elétricos, até 2040, irão representar em torno de 35% das vendas globais de carro.

Atualmente, só um país possui taxas tão elevadas: a Noruega, onde o carro elétrico representa um quarto do mercado automobilístico local. Para alavancar o comércio dos híbridos e elétricos, o governo local eliminou as taxas sobre automóveis desses tipos, passou a oferecer estacionamento gratuito e ainda permitiu o tráfego em corredores de ônibus. Outros países que se destacam nesse quesito são: a Holanda, o Reino Unido, os Estados Unidos e a França.

Os carros híbridos no Brasil

Dentre todos os modelos de carros híbridos e/ou elétrico disponíveis no mercado mundial, o mais conhecido, sem sombra de dúvidas, é o Prius, da Toyota. Em agosto de 2017, divulgou-se que há em torno de 5,7 milhões de unidades desse carro rodando nas ruas. No Brasil, porém, os números não são nada animadores: há apenas pouco mais de 700 Prius rodando nas ruas brasileiras, contabilizando 0,01% da frota global. Os números não decolam, mesmo com o nosso mercado entre os 10 maiores do mundo.

Apesar da economia gerada pelo plug-in, o problema para se vender um carro elétrico no Brasil são os valores: dentre os mais de 20 modelos disponíveis, nenhum sai por menos de R$ 120.000 – preço do próprio Prius. A política de impostos aplicada sobre o carro elétrico faz com que o valor de mercado dele seja o dobro do que poderia ser. Isso leva os carros verdes para patamares longe dos competitivos do mercado automobilístico brasileiro. Para ter como exemplo: na mesma concessionária da Toyota, pelo preço pago no Prius, é possível adquirir um utilitário RAV4 top de linha, assim como uma pick-up Hilux intermediária – dois carros muito mais visados pelos consumidores.

Em decorrência dessa falta de incentivo social e fiscal ao carro elétrico, segundo dados publicados pela Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores), desde 2006 foram emplacados apenas 2,5 mil carros verdes dentro de uma frota que gira em torno de 50 milhões de automóveis.  

Além do Prius, alguns dos modelos de carros elétricos disponíveis no mercado brasileiro são: o Lexus CT200h, o Ford Fusion Hybrid, o BMW i3 e i8 e também o Mitsubishi Outlander PHEV.

Os benefícios de se ter um carro elétrico

Desde que a indústria automobilística se estabeleceu mundialmente – provavelmente, nos anos 50/60, com o forte investimento dos Estados Unidos na área -, os carros são movidos por gasolina, um combustível altamente poluente. Entretanto, no século 21, a consciência ambiental sobre os malefícios causados pela combustão do petróleo está totalmente em pauta. Com isso, os investimentos no carro elétrico começaram a decolar – caso da Volvo -, e tendem a transformá-lo em maioria se tratando de veículos particulares.

Provavelmente, o principal benefício de se ter um carro elétrico é o fato de que, além de ser mais barata, a eletricidade tem um rendimento muito maior do que a gasolina. Por exemplo: com o tanto gasto de gasolina para locomover 120 km, é possível dirigir até 1.170 km gastando o mesmo com eletricidade. Além disso, claro, o carro elétrico é muito melhor para o meio ambiente, pois, quando puramente elétrico, não emite nenhum poluente. A manutenção também é muito mais simples. Não é preciso, em carros elétricos, se preocupar com peças como filtro de óleo, correias ou a bomba de combustível, pois eles não possuem elas.

Gosta da idéia de possuir um carro elétrico ou híbrido mas, antes de comprar um, precisa vender o seu atual para levantar o dinheiro? A Instacarro compra o seu carro em até 90 minutos, sem fazer você passar por nenhuma dor de cabeça. Entre no site para receber uma cotação grátis do seu carro!

Venda o seu carro em 3 passos


Sobre o Autor

A Instacarro é uma plataforma online de venda de carros usados determinada a revolucionar a indústria automobilística do Brasil. Para quem quer vender um carro usado, a Instacarro é a melhor opção!



Voltar para cima ↑